7/2/2020 - G1
Por Daniel Silveira / G1

Paulo Guedes compara funcionário público a parasita



O ministro da Economia, Paulo Guedes, comparou funcionários públicos a "parasitas" ao comentar, nesta sexta-feira (7), as reformas administrativas pretendidas pelo governo federal. Segundo ele, as propostas referentes ao tema serão enviadas ao Congresso na próxima semana.

Guedes criticou o reajuste anual dos salários dos servidores que, segundo ele, já têm como privilégio a estabilidade no emprego e "aposentadoria generosa". O ministro argumentou que a máquina pública, nas três esferas de governo, não se sustenta financeiramente por questões fiscais e, por isso, a carreira do funcionalismo precisa ser revista.

"O hospedeiro está morrendo, o cara virou um parasita, o dinheiro não chega no povo e ele quer aumento automático", declarou.

A declaração foi dada pelo ministro em palestra na Escola Brasileira de Economia e Finanças da Fundação Getúlio Vargas (FGV EPGE) no encerramento de um seminário sobre o Pacto Federativo.

Segundo o ministro, sua crítica é compartilhada pelos brasileiros. "A população não quer isso [reajuste automático do funcionalismo público]. 88% da população brasileira é a favor, inclusive, de demissão no funcionalismo público", disse.

Paulo Guedes se referiu a uma pesquisa Datafolha, divulgada em janeiro, que apontava que, para 88% dos entrevistados, o funcionário público que não faz um bom serviço deve ser demitido.

"Nos Estados Unidos ficam quatro, cinco anos sem dar reajuste e quando dá todo mundo fica "oh, muito obrigado". Aqui o cara é obrigado a dar [reajuste] porque está carimbado e ainda leva xingamento, ovo, não pode andar de avião", continuou o ministro.

Guedes afirmou que o texto da reforma administrativa será apresentado na próxima semana à Câmara dos Deputados. Segundo ele, é grande a expectativa do governo de rápida tramitação.

"O clima no Congresso é extremamente favorável [à reforma administrativa], ao contrário do nosso clima no ano passado quando nós chegamos com a Reforma da Previdência", disse.

 Já a reforma tributária, que está sendo desenhada pelo Executivo, "é um pouco mais complexa", segundo o ministro. Ele destacou que ela deverá ser apresentada a um comitê conjunto, formado entre Câmara e Senado.

 

 Servidores reclamam

Em nota, a Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Unafisco) disse repudiar as declarações do ministro, afirmando que os auditores exercem "com orgulho e lisura" suas atribuições.

"O assédio institucional que vem sendo praticado pelo Sr. Paulo Guedes em relação aos servidores públicos já ultrapassa os limites legais e merece reação à altura", diz a entidade.

A declaração também gerou reação do Fórum Nacional Permanente de Carreiras Tipicas de Estado (Fonacate), que pretende acionar a Justiça contra o que considerou assédio moral aos servidores públicos.

"É uma agressão gratuita e desmedida aos 12 milhões de servidores públicos do país. Nós não podemos admitir um nível de insulto tão vil de alguém que deveria zelar pelo funcionalismo público", disse o presidente do Fonacate Rudinei Marques.

 

Ministro da Economia reconhece qualidade do servidor público; reforma administrativa é para corrigir distorções

Em nota, o ministério da Economia afirma que o ministro Paulo Guedes reconhece a qualidade do servidor público, e que a reforma administrativa é para "corrigir distorções".

"O Ministério da Economia esclarece que, após reconhecer a elevada qualidade do quadro de servidores, o ministro Paulo Guedes, analisou situações específicas de estados e municípios que têm o orçamento comprometido com a folha de pagamento", diz a nota.

"O ministro argumentou que o país não pode mais continuar com políticas antigas de reajustes sistemáticos. Isso faz com que os recursos dos pagadores de impostos sejam usados para manter a máquina pública em vez de servir à população: o principal motivo da existência do serviço público. O ministro defendeu uma reforma administrativa que corrija distorções sem tirar direitos constitucionais dos atuais servidores".

 




Notícias mais visitadas nos últimos 30 dias

1 - Assessoria do TJSP confirma: sem previsão de pagamento da data-base
2 - Retirar direitos dos servidores é destruir o Serviço Público
3 - Artigo: PEC Emergencial 186/2019
4 - Ato do dia 18 suspenso em São Paulo
5 - APESP protocola ofício requerendo adoção ampla e imediata do teletrabalho
6 - Assojubs aborda presidente do TJ durante passagem pela Baixada Santista
7 - Repressão aos servidores marca aprovação da Reforma da Previdência em SP
8 - Informe do TJSP sobre o Coronavírus
9 - Assojubs e Sintrajus reforçam a participação na Assembleia Estadual
10 - Posicionamento da Pública sobre ações econômicas em tempos de Coronavírus
11 - Governo de S. Paulo quer perseguir influenciadores com dinheiro público
12 - Juiz corregedor revoga OS que estipulava metas para setor técnico
13 - Justiça suspende reforma da Previdência de Doria
14 - Comunicado do Conselho Superior da Magistratura
15 - Guedes é contra redução salarial de servidores durante pandemia
16 - Nota de repúdio ao Deputado Rodrigo Maia
17 - Corte de salário de parlamentares é essencial durante a pandemia
18 - COVID-19: Iamspe abre Pronto Atendimento exclusivo para servidores
19 - Fespesp cobra TJSP sobre medidas contra o COVID-19
20 - Vacinação contra gripe no Iamspe
21 - Vitória da Pública em articulação da PEC Nº 10/2020
22 - Transformação de Agentes será votada dia 10 de abril
23 - Nota de pesar - Falecimento do Oficial João Alfredo Portes
24 - Aplausos no Dia Mundial da Saúde
25 - Fespesp ingressa em Ação contra suspensão no pagamento dos Precatórios
26 - Campanha de Arrecadação de recursos para o Iamspe
27 - Pública lidera manifesto em combate ao Coronavírus

.... mais notícias