12/3/2020 - CNSP
Por Antonio Tuccilio/ CNSP

Governo de S. Paulo quer perseguir influenciadores com dinheiro público



O governo paulista, comandado por João Doria (PSDB), publicou edital de impressionantes R$ 15,8 milhões para a contratação de empresa para monitorar perfis influentes na internet que são, segundo o documento, “detratores” da sua gestão. No Facebook e principalmente no Twitter, plataforma que fomenta importantes discussões políticas, há grande número de pessoas que frequentemente criticam as ações do governador e que, portanto, podem ser alvo de perseguição. Trata-se de um tipo de ação comum em governos totalitários.

A publicação do edital foi mal recebida por opositores, incluindo o senador Major Olímpio (PSL/SP), que pediu liminar para suspender a licitação, marcada para 16 de março. O Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE) já pediu que o governo prestes esclarecimentos, o que me faz pensar que o edital tem chances de ser cancelado. Independentemente do desfecho, esse caso gera uma boa reflexão.

É interessante como os ditos liberais frequentemente criticam a máquina estatal – para eles, a iniciativa privada é muito eficiente, enquanto o Estado é incompetente e gasta demais –, mas não se furtam de usar essa mesma máquina para fins pessoais, quando lhes convém. 

A quem interessa se estão falando mal do governador no Twitter? Apenas a ele mesmo e a seu partido, pois a população paulista tem outras preocupações. Não é de interesse público monitorar o perfil ‘x’ ou ‘y’ na internet. Se o governador está tão atento ao que estão falando sobre ele nas redes sociais – suponho que ele está muito preocupado com sua futura campanha presidencial -, que ele contrate uma empresa com seus próprios recursos.

Eu não defendo ataques gratuitos, muito menos ofensas e calúnias. Para pessoas que agem dessa forma há o peso da lei. Porém, na condição de governador, Dória deveria entender que críticas serão feitas ao longo de sua gestão e que as pessoas têm o direito de fazê-las.

Seu histórico nesse quesito não é muito bom. Basta lembrarmo-nos do recente evento em Taubaté, no interior paulista, quando ele chamou de vagabundos alguns policiais aposentados que estavam protestando.

O monitoramento daqueles considerados “detratores” implica algum tipo de retaliação, caso contrário não haveria motivo para tal mapeamento. A depender de como o governador vai lidar com isso, pode ser que princípios democráticos e da liberdade de expressão sejam atingidos.

A expectativa é a de que esse edital seja barrado e de que o governador destine os R$ 15,8 milhões para áreas mais importantes.

 

Publicado em 10/03/2020




Notícias mais visitadas nos últimos 30 dias

1 - Fespesp impetra ADI contra Decreto nº 65.021/2020
2 - Fespesp assina Manifesto em Defesa da Democracia e do Judiciário
3 - Vitória no STF: efetivada a conversão dos cargos
4 - Nota Conjunta de Repúdio ao Decreto nº 65.021/2020
5 - Vitória da Pública e demais Entidades por 7 a 4 em prol dos Servidores
6 - Bate-papo Assojubs: contribuição adicional dos aposentados e pensionistas
7 - Fux é eleito presidente do STF e vai se empenhar pela luta da democracia
8 - Entidades e movimentos sociais se unem em defesa da democracia e da vida
9 - Presidente assume economia e falta de investimentos no TJSP
10 - Moção de apoio aos Judiciários do estado do RJ
11 - CSM publica provimento sobre o retorno gradual do trabalho presencial
12 - Live aberta | Adiamento do trabalho presencial no Tribunal de Justiça

.... mais notícias