29/7/2020 - Fespesp
Por Fespesp

Entidades assinam Nota de repúdio à postagem da advogada Renata Girotto



Em meio à crise pandêmica deflagrada pela COVID-19 e à persistentemente elevada taxa de contaminação da população, a assembleia dos servidores do Judiciário de São Paulo deliberou pela greve sanitária como resposta não simplesmente à retomada dos trabalhos presenciais nos fóruns, mas às precárias e periclitantes condições de trabalho, historicamente conhecidas, e agora maximizadas pelos riscos elevados de contágio do novo coronavírus.

A medida em questão foi determinada menos por um sentimento de classe, e mais pela defesa do direito à vida e à saúde. Este, que deveria interpelar a todo o conjunto da sociedade na atual crise sanitária e perante a constatação de mais de 81 mil mortos só no Brasil, vê-se eclipsado por uma assustadora onda negacionista da ciência, dos alertas epidemiológicos globais, e das orientações das autoridades de saúde. Ao lado de preconceitos quanto aos fundamentos do serviço público (que insuflam ataques ao funcionalismo, já precarizado pelo mesmo poder público que deveria promovê-lo, e hostilizado pela mesma sociedade a quem ele serve), a justa e legal chamada para a greve tem sido alvo de ofensivas manifestações contra toda a classe trabalhadora.

Foi o caso de postagem da advogada Renata Girotto, de 26 de julho de 2020, queixosa do que entende ser uma expressão de superioridade dos serventuários da justiça ao defenderem o regime de teletrabalho, modelo de organização do serviço que têm permitido manter as prestações do Judiciário à sociedade (com o uso de recursos pessoais dos servidores, inclusive). Contraditória, pede empatia enquanto classifica a função pública de “merda" (sic) e defende extinção de cargos.

Cravamos nosso mais alto e grave repúdio a uma manifestação ensimesmada e de empobrecida visão de trabalho e sociedade, baseada na concepção de mercado, oferta e demanda, que não guarda relação com a forma como as políticas e o serviços públicos devem se organizar para responder ao interesse público – e não a categorias profissionais isoladas.

As entidades representativas dos servidores do Judiciário de São Paulo reafirmam sua luta pela civilizatória defesa da vida e da saúde pública – de todos, e defendem que as divergências sejam tratadas sob formas democráticas e respeitosas.

Se temos ódio é pelos processos geradores e mantenedores de desigualdades, e de tudo o que afronta a dignidade da classe trabalhadora, e que avilta a Democracia. 




Notícias mais visitadas nos últimos 30 dias

1 - Servidores do TJ deliberam greve sanitária em assembleia virtual histórica
2 - Assembleia Geral dos Servidores do Judiciário
3 - Greve Sanitária | Assembleia Geral dos Servidores
4 - Assembleia Geral dos Servidores - 24/07
5 - Petição online pelo adiamento do retorno dos trabalhos presenciais no TJSP
6 - Comissões da Alesp solicitam explicações ao presidente do TJSP
7 - Fespesp protocola Ofício após assembleia geral dos servidores
8 - Greve Sanitária continua e servidores resistem
9 - Live aberta | TJSP deve voltar dia 27?
10 - Edital de convocação para a assembleia geral
11 - Nota de Repúdio ao presidente da OAB Santos
12 - Resolução da Assembleia é enviada a órgãos nacionais e internacionais
13 - Servidores deliberam continuidade da Greve Sanitária
14 - Segunda Assembleia Geral delibera continuidade da Greve Sanitária
15 - Live | Neoliberalismo e pandemia: um olhar da psicanálise
16 - Entidades assinam Nota de repúdio à postagem da advogada Renata Girotto
17 - TJSP restabelece trabalho remoto na região de Registro
18 - Ato virtual Apagão do Judiciário é realizado nesta sexta (7/8)
19 - Apagão no Judiciário em memória aos quase 100 mil mortos
20 - Edital de convocação para Eleições
21 - Live | As contas públicas do SUS
22 - Evento online - 5 anos da Pública Central do Servidor

.... mais notícias